• Engenho e Arte

ABELHAS AJUDADAS POR MONITORIZAÇÃO REMOTA



A apicultura é uma das indústrias mais antigas que existem, mas enfrenta inúmeras ameaças devido à poluição, desertificação e diminuição da biodiversidade.

Várias empresas de tecnologia esperam ajudar as abelhas a ter um futuro melhor e contribuir para a manutenção desta espécie que garante a polinização de 80% das flores.

Noah Wilson-Rich, diretor científico da empresa norte-americana Best Bees Company, diz que é angustiante constatar quantas colônias de abelhas melíferas americanas, ou colmeias como são conhecidas, morrem a cada ano.

Atingido por um ácaro parasita mortal, pesticidas e mudanças climáticas, uma pesquisa mostrou que entre abril de 2019 e 2020, 43,7% das colmeias americanas foram perdidas . Esse foi o segundo valor anual mais alto desde o início desse estudo específico em 2010.

“Isso só mostra como as coisas estão bagunçadas atualmente”, disse Wilson-Rich.

A abelha enfrenta uma série de pressões


Ouvir as abelhas pode ajudar a salvá-las, e a nós?


A empresa de Wilson-Rich em Boston instala colmeias em propriedades comerciais e residenciais, em todos os lugares, desde telhados a jardins. A sua equipe usa então um sistema de software avançado para monitorizar e registrar a saúde de todas as colônias de abelhas.

Os dados são compartilhados com pesquisadores da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, para ajudá-los a entender melhor a situação dos insetos.

A Best Bees, que é paga pelos proprietários e empresas, também colhe e engarrafa o mel para estes.

"Estamos a investigar o que ndo por que vivem colmeias prósperas", disse Wilson-Rich. "Precisamos entender por que eles estão se saindo melhor. Com esses dados de pesquisa, podemos obter benefícios maravilhosos ... eles estão nos dizendo como as abelhas estão realmente fazendo."

Com a indústria global do mel avaliada nos Estados Enidos em 9,2 bilhões de dólares em 2020, há um significativo imperativo comercial por trás do aumento do uso de tecnologia para monitorizar e cuidar das abelhas. Especialmente numa época em que a pandemia do coronavírus concentrou as mentes em questões mais amplas de abastecimento de alimentos.




Por que é que as abelhas são tão importantes?


1,4 biliões de empregos agrícolas e três quartos do suprimento mundial de alimentos, cerca de 577 biliões de dólares por ano, dependem da polinização e das 100 espécies agrícolas que alimentam 90% da população mundial, 70 são polinizadas por abelhas domesticadas e selvagens



Uma empresa que também está na vanguarda da indústria de abelhas é a empresa irlandesa ApisProtect, que fabrica sensores sem fio em colmeias que coletam e transmitem dados para um "painel" baseado num site.

"Coletamos dados de temperatura, humidade, som e aceleração [das abelhas voando para fora da colmeia]", disse a executiva-chefe Fiona Edwards Murphy.
"O que fazemos é extrair esses pontos de dados em bruto e, em seguida, usar o "machine learning" para convertê-los em informações úteis. Dizemos ao apicultor, por exemplo, quais as colmeias que estão a crescer e quais estão a diminuir ou ainda quais as colmeias que estão vivas e quais as que estão mortas".

A tecnologia, ela acrescenta, marca uma mudança significativa nas práticas tradicionais da apicultura, em que os apicultores precisam de inspecionar manualmente as colmeias. Nos Estados Unidos, onde algumas dos maiores apicultores têm mais de 90.000 colmeias, isso dá muito trabalho.

"Numa operação comercial, apenas cerca de 20% das colmeias num determinado momento precisam de intervenção", acrescenta Edwards Murphy. “O problema é que os apicultores não sabem quais são os 20%. Eles literalmente saem e vasculham uma colmeia para ver se é aquela que deveriam estar olhando.
“O que fazemos é permitir que eles tenham uma ideia do que está a acontecer em todas as suas colmeias, espalhadas por uma grande área, antes mesmo de saírem do escritório pela manhã. Para os apicultores comerciais, vemos uma redução de 50% nos custos de mão de obra. obviamente tem um grande impacto no negócio da apicultura. "


Os monitores de colmeias da ApisProtect ficam de olho nas colmeias



A empresa israelense Beewise, visa reduzir ainda mais a necessidade de intervenção humana.

Ela criou a "Beehome", uma grande estrutura em forma de caixa movida a energia solar que pode abrigar 24 colmeias separadas.


Capaz de operar de uma forma autônoma, ou por meio de um aplicativo no telefone ou tablet do apicultor, cada Beehome vem com uma série de câmaras, sensores e braços robóticos que, juntos, assumem as ações que, de outra forma, precisariam de uma mão humana, como controle de pragas, prevenção de enxames , e colher o mel.

As únicas ações que requerem intervenção humana é para garantir que as abelhas tenham acesso a uma fonte de alimento e água, e ir buscar o mel colhido à máquina.



Fiona Edwards Murphy diz que muitas das grandes operações de apicultura atualmente verificam as colmeias aleatoriamente


"Numa colmeia normal, com uma caixa de madeira, há cerca de 10.000 a 50.000, ou talvez até 100.000 abelhas", disse o presidente-executivo da Beewise, Saar Safra.

"São muitos dados para analisar, e a IA [inteligência artificial] está a fazer isso em frações de segundos. Ela pode identificar o que está acontecendo e aplicar o tratamento correto."

Ele acrescenta que há "muito stresse para as abelhas de hoje", mas que "os apicultores comerciais podem realmente ajudar nessas questões". "A ideia é que ajudar essas criaturas vivas é importante em tempo real, ou logo depois. Se você esperar muito, uma pequena preocupação pode evoluir para um grande problema e, em seguida, uma colônia entra em colapso."

Um projeto de tecnologia de abelhas ainda mais futurista é o esquema pan-europeu Hiveopolis, que está a estudar a possibilidade de colocar pequenos robôs de "dança balançante" dentro das colmeias para influenciar o comportamento das abelhas.

Embora não haja fotos disponíveis e a tecnologia ainda esteja num estágio inicial, a ideia é que os robôs tentem imitar como as abelhas se comunicam usando o movimento. E a partir disso a esperança é que os robôs consigam direcionar as abelhas operárias às melhores fontes de néctar.



Os Beehomes da empresa israelense Beewise podem conter até 24 colmeias


"É importante que possamos dizer às abelhas para onde devem voar e coletar, mas também podemos dizer de onde o néctar foi coletado", disse Thomas Schmickl, pesquisador de Hiveopolis na Universidade de Graz, na Áustria.
"Um pote de mel dessa colônia poderia ter um adesivo com uma espécie de sobreposição do Google Maps, indicando o local de colheita.
"As pessoas saberiam de onde vem o mel - isso seria do interesse dos consumidores."


GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo