• Engenho e Arte

COFRE FORTE DE OBRAS DE ARTES, CENTRO DE CONSERVAÇÃO DO LOUVRE


UM ARMAZÉM TIPO CAVERNA PARA AS OBRAS DE ARTE EM LIÉVIN, EM FRANÇA, ADOPTA UMA PODEROSA LINGUAGEM ARQUITECTÓNICA E POSSUI UMA COBERTURA AO ESTILO DE UMA PRADARIA

O lado norte do vasto E novo Centro de Conservação do Louvre, projeCtado por Rogers Stirk Harbour + Partners (RSHP), é um muro de betão inexpugnável. Numa extremidade, uma meia elipse de betão sai horizontalmente, formando uma cobertura sobre as escadas até uma entrada de vidro. De pé, por baixo dela, a parede de 200m parece quase interminável, uma ilusão aprimorada porque reduz em altura em direcção ao ponto de fuga para o leste. Graham Stirk, arquitecto principal do projecto, compara o edifício em Liévin, norte da França, com a 'linguagem poderosa das grandes fortalezas francesas'. Na verdade, a proposta de concurso do RSHP, que venceu em 2015, citou as fortificações do Marquês de Vauban, engenheiro militar do século XVII para Louis XIV.

Mas a estrutura é apenas metade deste edifico.

O projecto também é, como diz Stirk, "um grande parque inclinado que protege as obras de arte por baixo". O tecto trapezoidal do edifício levemente inclinado suportará 17.500 m² dum prado.


Uma passagem longa e de altura dupla, conhecida como Boulevard de Obras de Arte, leva você profundamente ao edifício.


Aproximadamente 250.000 obras de arte do Louvre chegarão a Liévin, e a missão do edifício é armazená-las, conservá-las e estudá-las. Já em 2002, havia avisos sobre o risco de inundação do Louvre em Paris, onde 10.000 m² de armazenamento estão abaixo do solo. Em resposta, o armazenamento foi disperso por mais de 60 locais. O novo prédio em Liévin, inaugurado em Outubro de 2019, agrupa todo o armazenamento disperso. O Louvre diz que "grande parte" de sua contribuição de 34,5 milhões de euros para o orçamento de construção de 42 milhões de euros veio da licença do Louvre que Abu Dhabi pagou por seu museu Jean Nouvel (2017).


O lobby apresenta dois caminhos a percorrer. Antes de seguir para a impressionante passagem de pé direito duplo, em frente, vamos descer uma escada em espiral para o lado, num espaço para eventos de pé direito duplo. É preenchido com luz proveniente dos vidros da fachada ocidental, e a cornija exterior curva-se para transportar brises-soleil de alumínio. Montada no interior, está uma obra de arte conceptual encomendada, De Vermeer a Veronese (2019), de Angela Detanico e Rafael Lain, composta por 109 molduras douradas vazias.


17.500 metros quadrados de prados espalham-se por todo o telhado trapezoidal do edifício, levemente inclinado.


Mas é a longa passagem que leva-nos profundamente ao edifício. Acedendo à entrada pelas escadas, que se estendem para o sul, até cerca de 150 m da entrada. O seu tecto continua o arco de meia elipse do dossel de entrada, quase um cofre em forma de barril, mas que é dividido por trechos duma clarabóia linear. Desde que foi projectado, é conhecido como o Boulevard des Oeuvres (Boulevard de Obras de Arte).

Esta é a coluna vertebral da instalação, dividindo os espaços funcionais de ambos os lados. Eles ficam sob tiras paralelas do tecto com o mesmo perfil arqueado, feitas por painéis de betão armado sobre vigas que atravessam colunas e que estão numa trama de 8m x 10m em todo o edifício. A abordagem modular usando elementos pré-fabricados torna-a "uma estrutura muito eficiente", observa Stirk. Questionado sobre a sustentabilidade do betão armado, ele responde que "depende do ciclo de vida", este edifício deve durar séculos, segundo ele.


Uma escada em espiral desce para um espaço para eventos de pé direito duplo.


No lado oeste da "avenida" interna, há 1.300 m² de oficinas e estúdios para conservação e estudo, além de escritórios, todos iluminados pela fachada ocidental envidraçada. No final da avenida estão as deckes de carga. Levará quatro anos para encher a instalação com os tesouros de Paris, e os camiões chegam diariamente, para os quais há espaço para três de cada vez. "Não há alternativa ao transporte rodoviário por questões de segurança", comenta John McElgunn, parceiro do RSHP.

A altura do edifício desce de 11m para 3.5m no lado leste, de modo que o único corredor da avenida interna encolhe com a profundidade. Ele corta os 9.600 m² de áreas de armazenamento, cheias de estantes com 3m, 4,5m e 6m de altura. Só essas estantes de prateleiras custaram cerca de 3 milhões de euros. Painéis vermelhos de cor vibrante, projectados pela RSHP, marcam cada linha de armazenamento. Eles marcam visualmente os espaços de armazenamento como se eles fossem uma instalação massiva de servidor de dados e é o único elemento que ecoa as cores da "marca registada" em todos os seus projectos.



O espaçoso espaço para eventos apresenta uma obra de arte dourada de Angela Detanico e Rafael Lain.


Cerca de 100 árvores já estão ao redor do prédio como filas de polícias, mas o resto está apenas a começar a crescer. Acima dos tectos e da ventilação de fumos nos vazios feitos nos seus arcos abobadados, o solo com uma profundidade de 60cm espalha-se em toda a cobertura à prova de água. Sobre eles, o paisagismo de Mutabilis Paysage et Urbanisme criará um prado florido, biodiverso com 27 espécies selvagens. Esse telhado verde é uma massa térmica que isola o edifício como um cobertor e também uma esponja de água que o mantém seco. É, literalmente, uma parte importante da sustentabilidade incorporada do Center de Conservation, que também inclui o abastecimento de energia geotérmica que cobre um terço de suas necessidades de energia.

Por razões de segurança, o parque inclinado não será acessível ao público, mas estende-se visualmente ao parque linear que se liga à Louvre Lens (2012) projectada pela SANAA, a apenas dez minutos a pé e que também apresenta paredes rectas longas, embora etereas, de vidro e metal. Solicitado a comparar as suas formas, Stirk diz que o novo Centro de Conservação é "construção de paisagem em vez de um pavilhão".

Vauban construiu fortalezas de pedra para defender o poder, mas a RSHP construiu uma instalação tecnológica para defender a cultura. Os agressores de hoje são liderados por emergências climáticas, mas o Centro de Conservação tem a natureza como aliada. 


GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos

Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com

18 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Ícone do Twitter Branco

© 2019 Orgulhosamente criado com Engenho & Arte