top of page
  • Engenho e Arte

EMISSÕES DE CO2 NA CONSTRUÇÃO CIVIL ATINGEM NOVO RECORD

Atualizado: 4 de jan.



Um novo relatório foi lançado na COP27. Um aumento deixa o setor fora do caminho para descarbonização até 2050. Em 2021, os investimentos em eficiência energética de edifícios aumentaram 16%, mas o crescimento das atividades superou os esforços.

O aumento global da construção civil elevou as emissões de CO2 para um record histórico de 10 gigatoneladas. Assim, o setor está fora do caminho para cumprir as promessas de descarbonização até 2050, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma.

Lançado na última ronda de negociações climáticas no Egito, na COP27, o Relatório de Status Global de Edificação e Construção de 2022 conclui que o setor foi responsável por mais de 34% do consumo de energia e cerca de 37% das emissões de CO2 relacionadas com a energia e processos de produção em 2021.

Expansão do setor

Segundo o documento, apesar do aumento em 16% no investimento na eficiência energética, o consumo de energia e as emissões de CO2 do setor de construção civil recuperaram da pandemia de Covid-19 para um recorde histórico.

Em 2021, essas emissões foram 5% maiores do que em 2020 e 2% a mais do que o pico pré-pandemia em 2019.

De acordo com o Pnuma, em 2021, a procura por aquecimento, refrigeração, iluminação e equipamentos em edifícios aumentou aproximadamente 4% em relação a 2020 e 3% em relação a 2019, indicando que a lacuna entre o desempenho climático do setor e a necessidade de descarbonização até 2050 está a aumentar.

A diretora executiva da agência, Inger Andersen, disse que anos de alertas sobre os impactos das mudanças climáticas se tornaram uma realidade. Para ela, “se não cortarmos rapidamente as emissões, conforme o Acordo de Paris, teremos problemas ainda maiores.”


Crescimento em África

O Pnuma observou que o uso dos recursos brutos em África deve duplicar até 2060. Estima-se também que 70% do parque imobiliário africano previsto para 2040 ainda não foi construído.

Essa estimativa está de acordo com o crescimento da população de África, que deve chegar a 2,4 bilhões até 2050, 80% a viver em cidades. Esta é uma razão pela qual o continente poderia usar as suas fontes de energia renovável para alimentar os seus edifícios de forma sustentável.

Materiais de construção já representam aproximadamente 9% das emissões de CO2 derivadas da energia no continente. Aço, betão e cimento são os principais contribuintes para as emissões de gases de efeito estufa, de acordo com a agência.




Atividade europeia

Na Europa, o setor de construção representa 40% das necessidades totais de energia no continente. Aproximadamente 80% vêm de combustíveis fósseis.

Para reduzir as emissões gerais, a agência da ONU explicou que o setor de construção pode ajudar a melhorar o desempenho energético dos edifícios, diminuindo a pegada de carbono dos materiais de construção, e multiplicando os compromissos políticos, além de incentivos ao investimento em eficiência energética.

As principais tendências globais identificadas pelo Pnuma indicaram que o aumento do espaço construído entre 2015 e 2021 foi equivalente à área total coberta por edifícios na Alemanha, França, Itália e Holanda.



*Texto Original da ONU News


GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com #arquitectura #engenhariacivil #construcao #construção #co2 #lowcarb #pegadadecarbono #footprint

24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page