• Engenho e Arte

ENG. ANTÓNIO GUTERRES COM B- NA IGUALDADE DE GÉNERO


"NESTE ANO SERÁ MAIS IMPORTANTE VER GUTERRES APROVEITAR A OCASIÃO DE TORNAR 2020 O ANO DOS DIREITOS DAS MULHERES" Lyric Thompson


Cheio de boas intenções e com um progresso incremental, deram ao chefe das Nações Unidas, António Guterres, novamente a classificação de B- pelo seu trabalho na construção de uma ONU mais feminista, de acordo com a Campanha da ONU Feminista, uma coligação dos principais grupos de direitos das mulheres e da sociedade civil.

A campanha emitiu seu terceiro boletim anual na sexta-feira, dando a Guterres a mesma nota geral que ele recebeu em 2019 por implementar uma agenda de liderança feminista e viabilizar financiamento para a igualdade de género, entre outras áreas de acção.


" Neste ano será mais importante ver Guterres aproveitar a ocasião de tornar 2020 o ano dos direitos das mulheres."

- Lyric Thompson, director< de políticas e advocacia, Centro Internacional de Pesquisa sobre Mulheres



Enquanto o próprio Guterres continua a demonstrar um compromisso com o feminismo, já que deu três vezes mais discursos focados no género em 2019 do que em 2018, os déficits de financiamento e a reacção interna às reformas prejudicaram o progresso, disse Lyric Thompson, director de políticas e advocacia da International. Centro de Pesquisa sobre Mulheres e coautora do boletim.

“Acho que o Guterres está a tentar cumprir o que ele disse que iria fazer. Ainda há áreas em que esperamos uma acção dele onde não está a fazer nada. Mas acreditamos que ele certamente está tentando, pelo que parece, ”, disse Thompson.

“Mas, no contexto de um déficit de financiamento maior e severo e de uma oposição interna realmente organizada, particularmente em termos de paridade, eu imagino que Guterres esteja a esforçar-se muito, mas não está a chegar tão longe. E isso, eu acho que é preocupante”, continuou Thompson.


Guterres pontuou mais alto nos seus esforços para alcançar a paridade de género na ONU e mais baixo em seu trabalho para promover a liberdade de informação no sistema da ONU. A campanha realizou uma pesquisa on-line, com a análise dos discursos de Guterres, da comunicação social,de entrevistas com funcionários da ONU e a sociedade civil.


O Eng. António Guterres, ex-chefe da Agência de Refugiados da ONU, iniciou um mandato de cinco anos como secretário-geral em 2017, com o objectivo de alcançar a paridade de género em toda a ONU no topo de sua agenda. O progresso nessa ambição acompanhou os anos anteriores, pois a paridade foi novamente alcançada nos níveis mais altos na sua liderança da ONU. Mas as mulheres continuam a ocupar menos posições do que os homens nos níveis de gestão média.

No ano passado, Guterres emitiu um memorando dizendo que, se alguma agência ou escritório da ONU ainda não alcançou a paridade de género e contrata um candidato masculino em detrimento de uma candidata competente, deve enviar uma explicação ao seu gabinete. Outra medida de 2019 incluiu novas directrizes para um ambiente de trabalho “habilitador” que apoie a flexibilidade do local de trabalho e as necessidades da família.

Porém, existem duas versões das directrizes, a versão mais longa que cobre questões adicionais de recrutamento, gestão de talentos e implementação, criando confusão sobre a sua integração. E houve uma reacção interna aos novos requisitos de recursos humanos para a paridade de género. Segundo o boletim, vários entrevistados "expressaram que números iguais não significam necessariamente que as mulheres têm mais poder, que é o centro da verdadeira igualdade".


As novas medidas também têm um problema de comunicação, disse Thompson.

“Há uma lacuna de percepção entre as pessoas que estão a trabalhar internamente em algumas dessas iniciativas e outras que dizem: 'Nunca ouvimos falar disso. Do que você está falando?' Para que isso tenha o impacto pretendido, as pessoas precisam saber sobre isso e, em seguida, ele precisa funcionar”, disse Thompson.

O boletim mostra que o trabalho para combater o assédio sexual no sistema da ONU, uma outra prioridade para Guterres no início de seu mandato, continuou, embora a um ritmo mais lento. Os autores pedem que ele “dobre” as acções para implementar medidas disciplinares padrão e oferecer protecção contra a retaliação.

Eles também pedem que Guterres publique processos internos, relatórios e dados sobre género e assédio sexual, incluindo dos esforços para o financiamento para a igualdade de género nas acções de alto nível.

“É tão difícil obter os dados, e ninguém ainda reclama nada sobre isso. E não acho isso surpreendente, dado o quadro financeiro em que a ONU se encontra”, disse Thompson.

2020 deverá ser um ano importante para a igualdade das mulheres.

No 75º aniversário da ONU está definido que se irá destacar o progresso e deficiências da organização global, enquanto o 25º aniversário da Plataforma de Acção de Pequim serão revistos durante o anual da Comissão sobre o Status da Mulher na reunião em Março.

"A reacção que vimos na agenda oferece uma visão de um muito bom tipo de microcosmo, de algo que estamos a ver num cenário global mais amplo de oposição realmente bem organizada e aberta aos direitos das mulheres e à agenda de igualdade de género", disse Thompson. "Neste ano será mais importante ver Guterres aproveitar a ocasião de tornar 2020 o ano dos direitos das mulheres.".



GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos

Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com


24 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Ícone do Twitter Branco

© 2019 Orgulhosamente criado com Engenho & Arte