top of page
  • Foto do escritorEngenho e Arte

UMA BARRAGEM COLAPSA NA UCRÂNIA




Há poucas provas até agora, mas o consenso do Ocidente aponta para a sabotagem russa

Uma barragem de betão, capaz de reter um volume de água tão grande que não dá para ver a margem oposta, é a maior conquista da engenharia. Mas, embora possam tornar a vida mais habitável para centenas de milhares de pessoas, fornecendo energia hidroelétrica limpa, as barragens podem ser mais devastadoras do que uma bomba atômica quando colapsam.

Esta devastação foi o que ocorreu na região de Kherson, na Ucrânia, quando o meio da barragem de Kakhovka cedeu. A água dum reservatório tão grande quanto o Grande Lago Salgado de Utah, com nível mais alto do nível de água em mais de 30 anos, desceu rio baixo. No seu caminho estavam 40.000 ucranianos, muito já feridos e maltratados por um ano de guerra.


A barragem de Kakhovka foi construída em 1956 e é uma das seis barragens do rio Dnipro, todas construídas durante o regime de Estaline. As barragens fornecem energia hidroelétrica e são um imenso reservatório de água para a agricultura.

O reservatório cobre uma área de 2.155 km2 a uma profundidade média de 8,4 m , com um volume aproximado de água de 18,2 km3.



O que aconteceu?

A barragem Kakhovka, no distrito de Kherson numa região ocupada por forças invasoras russas, sofreu uma ruptura no meio da barragem em 6 de junho de 2023. Uma “explosão interna” foi relatada às 2h50, hora local, de acordo com um tweet do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky,



Quem é o responsável?

Tanto a Ucrânia quanto a Rússia rapidamente culparam o adversário pelo colapso da barragem, apesar de todos os líderes ocidentais terém a opinião consensual do envolvimento russo. Especialistas militares também concordam que, nesta fase da guerra, com a Ucrânia a preparar uma contra-ofensiva, a Rússia tem mais a ganhar com as inundações que criam uma barreira para as forças ucranianas atravessarem.

A Ucrânia, por outro lado, tem mais a perder, com todas as perdas de vidas e propriedades no seu território.


Cidades recapturadas nas frentes norte e oeste da Rússia revelaram uma devastação completa, valas comuns, tiroteios de prisioneiros e outras violações da Convenção de Genebra, que proíbe explicitamente ataques a "instalações contendo consequências perigosas", como barragens devido ao risco de civis. Embora uma falha “natural” não possa ser 100 por cento descartada tão cedo após o colapso, especialistas examinando as fotos e vídeos concordam que, dadas as circunstâncias, a falha da barragem é um argumento “suspeito”.


Barragem de Kakhovka antes da guerra.


As barragens não costumam colapsar habitualmente no meio. As falhas de barragens geralmente começam nas laterais, onde o betão tem uma ligação com a solo de fundação. Apesar de que evidências de sabotagem ainda não foram apresentadas, os especialistas concordam que a melhor maneira de derrubar uma barragem é explodi-la por dentro. Uma explosão interna é a mais prejudicial estruturalmente porque a explosão é contida. Por outro lado, uma explosão externa, como o de cargas explosivas ou ataques de mísseis, tende a dissipar grande parte de sua energia fora da estrutura.

O dano que poderia ser causado facilmente por uma carga explosiva no interior com algumas centenas de quilos de explosivo dentro da barragem, para ser efectuado pelo exterior necessitava de toneladas de explosivos ou de vários misseis que além de deixarem muitas testemunhas deixariam muitas outras evidências incriminatórias.

A barragem e a central hidroelétrica estavam sob controle russo, então a Rússia teria o melhor acesso ao interior do barragem para implantar explosivos.

O colapso da barragem de Kakhovka pode ser o primeiro de uma série. Um oficial ucraniano disse que os russos estão a planear explodir mais barragens no rio Dnipro.


As águas a montante da barragem subiram para um máximo de 30 anos e estavam no topo da barragem porque os portões foram mantidos fechados. A Rússia, que controlava a barragem e a usina hidroelétrica, podem ter tentado fazer subir a água para o nível mais alto possível para causar o maior dano possível após o colapso.


A área a jusante da barragem causará, após o colapso desta, mais mortes e desalojará mais de 40.000 pessoas. A Ucrânia já está a sofrer com a maior deslocação populacional na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Antonivka, rio abaixo da barragem de Kakhovka, tem atualmente 4.000 residentes em comparação com uma população pré-guerra de cerca de 13.000, por exemplo. Cerca de 16.000 pessoas ainda vivem numa “zona crítica” na margem ocidental controlada pela Ucrânia e outras 25.000 pessoas estão do lado russo, segundo autoridades. O rio Dnipro, contido pela barragem de Kakhovka , atualmente separa as forças russas da restante da Ucrânia e já havia sido despovoado. A inundação arruinará as plantações numa grande área.

A Ucrânia, o “celeiro” da Europa com o seu solo rico e escuro, é um grande produtor mundial de trigo. Os preços dos cereais já dispararam nas bolsas internacionais de commodities.

A maior parte da energia da Ucrânia (54%) vem de centrais nucleares. Uma das centrais nucleares é a Central Nuclear de Zaporizhzhia, que causou algum alarme depois de ser invadida e controlada pela Rússia. No entanto, fica muito a montante da barragem e não corre risco imediato de rompimento, de acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica.


Confira aqui as imagens





GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos

Tem uma história para partilhar?





30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page