• Engenho e Arte

TESLA KILLER, 650 KM PARA A NOVA BATERIA DA GENERAL MOTORS



A GENERAL MOTORS, UM DOS TRADICIONAIS FABRICANTES, ENTRA A MATAR PARA RECUPERAR QUOTA DE MERCADO NOS VEÍCULOS ELÉCTRICOS


A nova bateria EV da GM é um assassino do Tesla? Com ela o automóvel percorre 650 quilómetros com uma carga e é flexível na sua concepção, tornando-se fácil de empilhar. As baterias são um dos pontos que mais hesitação provoca para o consumidor na hora de mudar de um automóvel a combustão para um automóvel eléctrico, devido ao seu custo e à sua autonomia. As chamadas baterias macias são envoltas num polímero em vez de metal, estas são mais resistentes, mas também mais caras.


A General Motors afirma que tem uma nova bateria que pode ser um serial-killer da Tesla. "A GM está a construir na direcção a um futuro totalmente eléctrico porque acreditamos que a mudança climática é real", afirmou Mary Barra, CEO da GM, numa apresentação à imprensa. A diferença de autonomia em relação à Tesla é mínima, a faixa actual da Tesla é de 620 quilómetros, enquanto a nova bateria da GM tem uma faixa de "sim, bem, infinito mais um " de 650 quilómetros. Mas é estruturalmente diferente o suficiente para envolver um processo de fabricação inteiramente novo, que a GM diz que também será mais barato. A célula da bateria, chamada Ultium na documentação da GM, tem um formato flexível, macio e plano que pode ser alinhado (“como livros em uma prateleira”) ou empilhado. As baterias macias não são uma novidade, mas a GM diz que as anteriores precisavam ser configuradas de outra maneira. A capacidade de empilhar dá ainda mais flexibilidade aos fabricantes de automóveis que precisam de encaixar muitas células, da maneira mais elegante possível, num espaço de forma irregular.

O design da GM usa o cobalto, cujo custo é proibitivo e é extraído de uma forma discutível. Mas a equipe de marketing insiste que é numa quantia pequena e que o custo total de fabrico ainda assim é menor e continuará a baixar. Honestamente, deve ser porque a GM fez um esforço sem precedentes (entre os fabricantes de automóveis tradicionais nos EUA) para se tornar o mais eléctrico possível. Isso inclui lançar cada vez mais novos modelos eléctricos de veículos existentes, mais projectos para novos veículos e investir biliões de dólares para converter a iconica fábrica de Detroit Hamtramck numa que fabrica apenas veículos eléctricos.


Chamar estas baterias de "embalagem macia" é apesar de tudo um pouco enganadora, porque elas são bastante rígidas, elas têm apenas uma cobertura de polímero em vez de uma de metal. Isso torna as baterias da embalagem macia, mais flexíveis quando em tensão, como quando uma caixa de metal pode partir-se sob pressão. As baterias macias pesam até 40% menos que as baterias de metal equivalentes. O exterior da embalagem macia é menos condutivo, o que significa que a bateria retém menos calor prejudicial. E os fabricantes podem fabricar estas baterias em diferentes tamanhos e formatos, de acordo com as diferentes necessidades e eles foram limitados até agora por um custo relativamente alto em comparação com as baterias tradicionais.


A GM diz que planeia licenciar a sua nova tecnologia de bateria para outros fabricantes. Neste momento, a Tesla é o campeão nas vendas de veículos eléctricos, respondendo por cerca de 90% das vendas. As vendas tímidas do Chevy Volt e outros veículos totalmente eléctricos não conseguiram mobilizar o consumidor de veículos elétricos. Poderia um custo mais baixo e uma bateria de longo alcance mais inovadora finalmente começar a enfraquecer a enorme liderança da indústria de Tesla? A resposta pode estar a apenas 650 quilómetros de distância.


As novas células de bateria da GM serão usadas em vários dos seus novos modelos totalmente eléctricos, incluindo um carro eléctrico autonomo recentemente revelado, o Cruise Origin e um futuro SUV de luxo Cadillac.

A GM prometeu que as novas células da bateria cairão rapidamente de custo para menos de US $100 por quilowatt-hora. As baterias representam uma parte muito grande do custo de um veículo eléctrico e US $100 por quilowatt-hora é o valor frequentemente citados por analistas do sector como o limiar que permitirá que os carros eléctricos se tornem realmente competitivos em termos de custo com os veículos movidos a gasolina tradicionais.


A GM citou "analistas de terceiros" como dizendo que as vendas de veículos eléctricos nos Estados Unidos podem subir para cerca de 3 milhões de unidades até 2030. Mas a própria análise da GM prevê que o número pode ser "bastante maior" à medida que mais veículos eléctricos sejam lançados. Além disso, os engenheiros da GM já estão a trabalhar em células de bateria da próxima geração que podem permitir autonomia até 1.000 quilómetros, disse Andy Oury, o engenheiro da GM numa apresentação gravada.


A GM também mostrou uma série de novos modelos de carros totalmente eléctricos que a empresa planeia produzir nos próximos anos. O Cruise Origin, um veículo sem motorista já foi apresentado em São Francisco no mês passado. O departamento responsável pelos veículos autonomos de GM da Cruise espera usá-lo num serviço de táxi sem motorista em São Francisco mas nenhuma data foi marcada para isso.

Uma nova versão do Bolt EV será lançada ainda este ano, disse a empresa, seguida por uma versão SUV crossover, chamada Bolt EUV, no verão de 2021.


O Cadillac Lyriq, um crossover eléctrico de luxo, será apresentado no próximo mês. Depois disso, o eléctrico GMC Hummer EV será apresentado em 20 de maio, disse a GM.




GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos

Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com


Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Ícone do Twitter Branco

© 2019 Orgulhosamente criado com Engenho & Arte