• Engenho e Arte

A guerra na Ucrânia desacelera o crescimento da construção na zona do euro


A atividade de construção na zona do euro continuou a crescer, mas no ritmo mais lento em cinco meses.

As empresas comentaram frequentemente que o crescimento foi parcialmente travado pelas preocupações dos preços acelerados e incertezas decorrentes da eclosão da guerra na Ucrânia. As conclusões vieram do mais recente S&P Global Eurozone Construction Purchasing Managers' Index (PMI), que é compilado pela S&P Global a partir das respostas a questionários enviados aos gestores comerciais num painel de cerca de 650 empresas de construção na zona do euro, essencialmente na Alemanha, França e Itália.

O número principal é o índice de atividade total, que acompanha as mudanças no volume total da atividade de construção em comparação com o mês anterior. Com um indice de 52,8 em Março, o índice de atividade total caiu de 56,3 de Fevereiro e apontou para um crescimento mais lento na atividade geral de construção desde Outubro passado. Os dados mostraram um aumento sustentado, ainda que mais lento, da atividade nos três subsectores monitorizados, com a construção de casas a liderar o crescimento.

A construção de casas na zona do euro aumentou pelo décimo terceiro mês consecutivo em Março. Os trabalhos realizados em projetos de construção comercial aumentaram pelo sexto mês consecutivo em Março. A taxa de crescimento é a mais lenta desde Outubro de 2021.



A atividade de engenharia civil aumentou em Março num ritmo mais lento nos últimos três meses de expansão. As empresas de construção da zona do euro constataram uma grande desaceleração no crescimento de novos pedidos em Março. O crescimento foi o mais fraco no últimos sete meses, pois os preços mais altos e a eclosão da guerra na Ucrânia reduziram a confiança dos clientes. As empresas Francesas constataram uma segunda expansão em três meses, no entanto o crescimento nas empresas Italianas foi o mais fraco desde meados de 2021, mas apesar de tudo ainda positivo. Houve uma redução evidente na Alemanha, que foi a mais acentuada nos últimos quatro meses.

Usamah Bhatti, economista da S&P Global, afirmou:

"Os últimos dados do PMI indicaram que o setor de construção da zona do euro não foi poupado da crescente incerteza decorrente dos custos acelerados e dos potenciais impactos da guerra Rússia-Ucrânia. Como resultado, o crescimento da produção diminuiu para o valor mais baixo dos últimos de cinco meses, enquanto o crescimento de novos trabalhos desacelerou desde Agosto passado. As empresas de todo o sector notaram que os custos crescentes e a escassez de materiais pesavam cada vez mais no desempenho do sector no final do primeiro trimestre. Notavelmente, os custos das matérias primas continuaram a aumentar a um ritmo substancial no meio dos atrasos cada vez mais graves na cadeia de fornecimento.
Estes problemas persistentes pesaram fortemente no sentimento dos negócios, com as empresas de construção da zona do euro a relatar um pessimismo em relação às perspectivas de actividade para o próximo ano pela primeira vez desde há 15 meses. Ao nível nacional, as empresas Francesas relataram uma nova redução na actividade que foi a mais rápida nos últimos sete meses. As empresas na Alemanha e na Itália observaram crescimentos mais suaves em Março.”

Os prazos de entrega dos fornecedores aumentaram pelo segundo mês consecutivo em Março. Além disso, o grau de deterioração do desempenho dos fornecedores foi o pior desde Julho passado e um dos mais acentuados já registrados. O índice de preços da matéria prima ajustado sazonalmente apontou para um aumento sustentado e considerável nos custos suportados pelas empresas de construção da zona do euro em Março. A taxa de inflação acelerou a partir de Fevereiro e foi a mais rápida nos últimos sete meses.



Ao nível nacional, as cargas dos custos aceleraram nas três economias monitorizadas, com as empresas Italianas a ter o aumento mais acentuado da história . O grau geral de confiança das empresas em relação às perspectivas para o próximo ano recuou acentuadamente em Março, com as empresas a relatar um pessimismo pela primeira vez desde Dezembro de 2020. As expectativas Alemãs foram pessimistas pelo segundo mês consecutivo, com o grau de pessimismo mais forte desde Maio 2020. As empresas Italianas foram de longe as mais otimistas, embora a confiança tenha diminuído para o valor mais baixo dos últimos 15 meses. O sentimento em França também diminuiu para o nível mais fraco desde Dezembro passado.



Consulte o Relatório da S&P Global Eurozone Construction Purchasing Managers' Index (PMI) AQUI


GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com #construcao #construção #europa #zonaeuro #custos #inflação #fornecimento

53 visualizações0 comentário