• Engenho e Arte

CONCLUÍDA A REMOÇÃO DA VIGA QUE CAÍU SOBRE LINHA FÉRREA



Após mobilizar 150 pessoas e 350 toneladas de equipamentos, em 5 dias de trabalho ininterrupto, conclui-se a remoção da pré-viga de betão armado que caiu sobre a linha férrea em Paris.


Foi no dia 1 de dezembro de 2020, por volta da 1h30 , que ocorreu o acidente.

Durante uma operação realizada pela empresa Freyssinet (subsidiária da Vinci Construction) no estaleiro de obras para o Aurore, um edifício autossustentável que abrigará um albergue da juventude e um hotel próximo à Biblioteca François-Mitterrand, em Paris, uma pré-viga de betão armado pré-esforçado, de 45m de comprimento e aproximadamente 370 toneladas desabou nos trilhos do RER C.

Durante a noite de 9 a 10 de dezembro de 2020, todos os blocos cortados da pré-viga foram evacuados

No dia 11 de dezembro às 5h:30m, os equipamentos mobilizados foram retirados no local.

De imediato começou-se com a renovação da pista e lastro em aproximadamente 60 metros tendo sido concluído por volta das 22h desse dia.

Paralelamente, duas empresas foram convocadas para reparar a catenária que foi totalmente refeito em 3 troços da pista, ao longo de aproximadamente 600 metros. No total foi inspecionada ao longo de 4.200 metros.

Do lado da sinalização, os cabos afetados serão substituídos e a montagem verificada. Por fim, na noite de 13 para 14 de dezembro, serão realizados testes noturnos no RER C, para garantir que tudo esteja operacional. O tráfego no RER C deve, portanto, retomar gradualmente na segunda-feira, 14 de dezembro, e completamente no dia 15 de dezembro. Os comboios TER e Intercidades de e para a estação de Austerlitz serão retomados em 15 de dezembro.



Veja aqui as imagens



Pode consultar os nossos artigos anteriores sobre esta matéria


ESTRUTURA QUE CAIU EM FRANÇA ESTÁ QUASE REMOVIDA

COLAPSO DE ESTRUTURA SOBRE LINHA FÉRREA EM FRANÇA



Ou rever no texto aqui em baixo



Mas antes disso, outras medidas foram necessárias, conforme explicou Christian Lacroix, presidente da Freyssinet França, durante uma nova conferência de imprensa no local, a 7 de dezembro de 2020.


O corte começou na manhã de 7 de dezembro

Assim, foi necessário transportar "350t de equipamento" , instalar "4 gruas que posicionamos o mais próximo possível do local" , não tão simples visto que cargas pesadas são proibidas em muitos espaços da faixa de servidão, e 2 guindastes em vagões de trabalho, para chegar o mais próximo possível da área do acidente e recuperar os elementos de betão armado.

Plataformas metálicas foram colocados na área de queda e torres de escoramento instaladas para "manter a viga no lugar". As operações de corte e desmontagem poderam realmente começar na noite de 6 para 7 de dezembro, "por volta das 4 da manhã" . Porque as cerca de 150 pessoas mobilizadas no local para esta operação trabalham 24 horas por dia, 7 dias por semana, garantiu novamente.





Fim da operação no meio da semana

O corte e a limpeza da viga de cofragem desmoronada devem ser concluídos até a noite de 8 de dezembro. Em seguida, terá de se remover as plataformas metálicas e os apoios. Tanto que Christian Lacroix pensa que toda a operação será concluída a 9 ou 10 de dezembro. Caberá então à SNCF Réseau, que espera que os comboios voltem a circular no dia 11 de dezembro. O gestor terá que avaliar e reparar os danos causados ​​pela queda, antes de poder colocar o tráfego de volta em serviço.


Quanto ao estaleiro de obras do empreendimento Aurore, cuja construção civil é assegurada pelo consórcio Léon Grosse (agente) / Freyssinet, estão em curso discussões com o cliente (a operação está a ser realizada pela empresa Phalsbourg) para reprogramar o operações "e ver como podemos economizar tempo", disse Bruno Alleard, vice-gerente geral da Léon Grosse Ile-de-France. Porque o tempo perdido neste momento irá necessariamente aumentar a duração da obra, cuja entrega está normalmente prevista para o final do ano de 2021.




A estrutura não parece estar envolvida

Mas antes de retomar o trabalho, será necessário entender exatamente quais são as causas que levaram a este acidente. A avaliação, que começou rapidamente após a queda da viga da cofragem, ainda está em andamento, disse Bruno Alleard. Antes de retomar a obra, e embora ainda seja necessário colocar 7 vigas das 9 que devem suportar a laje, “vamos rever todos os procedimentos, adaptá-los e fazer as modificações” , disse.


Em qualquer caso, e mesmo que a perícia deva confirmá-lo, ele está convencido de que a estrutura da cofragem não está em questão. “Foi durante o manuseio, para colocar nos apoios” que a viga da cofragem caiu. Um tipo de operação que, no entanto, é bem dominada e que, como recordaram os dois gestores, realiza-se sempre à noite ou quando o tráfego SNCF é interrompido. E Bruno Alleard assegurou: “as 2 vigas já instaladas estão perfeitamente seguras, obtendo a validação do gestor do projeto, da sala de controle e da SNCF Réseau” .



O que aconteceu no dia 1 de dezembro?


Pode consultar o nosso artigo inicial aqui


Ou rever no texto aqui em baixo


As imagens são perturbadoras. Durante a noite de segunda a terça, por volta da 1h30, uma viga de 400 toneladas colapsou na via férrea do RER C em Paris, próximo à Gare d'Austerlitz. Um acidente de construção que felizmente não causou feridos, mas causou grandes interrupções no tráfego dos RER C, TER e comboios da linha principal que passavam pela estação no 13º arrondissement.

O tráfego dos comboios foi interrompido na terça-feira na chegada e partida de Paris Austerlitz,. A situação continuará na mesma amanhã, quarta-feira, e provavelmente "por vários dias", segundo a SNCF. "Autocarros de substituição serão postos em funcionamento para fornecer serviço às estações intermediárias entre Juvisy e a biblioteca François-Mitterrand", garante a SNCF.


A importância deste incidente levantou preocupações esta manhã. A presidente da região de Ile-de-France, Valérie Pécresse, também reagiu no Twitter, deplorando um "acidente [...] que poderia ter tido consequências trágicas". “Peço à SNCF que repare os danos o mais rápido possível e forneça transporte alternativo para os viajantes”, acrescentou.



A SNCF, por sua vez, lembrou que este tipo de trabalho pesado, por cima da via férrea, é feito justamente à noite durante as interrupções do tráfego, para evitar qualquer risco na circulação dos comboios. Neste mesmo momento está a decorrer uma reunião com nomeadamente a SNCF, a Vinci Construction e a SEMAPA (empresa de fomento da Cidade de Paris), a cargo deste local, para avaliação dos danos. Como não será possível elevar esta viga colapsada, será necessário destruí-la e evacuar o entulho, antes de avaliar os danos na via e repará-la. De onde funciona e perturba durante vários dias.

Mais precisamente, trata-se de uma cofragem de betão perdida, tipo préviga, de várias toneladas destinada a executar uma viga de betão armado, no local do ZAC Austerlitz-Tolbiac-Masséna (ATM), gerido pela SEMAPA, que caiu sobre a via férrea. Nenhum comboio estava circular nesse momento, e não há feridos a lamentar, mas os danos materiais são significativos, na catenária e nas linhas ferroviárias.



A SNCF afirmou numa nota de imprensa que aguarda "os esclarecimentos das empresas responsáveis ​​pelo local para saber mais sobre a duração da intervenção necessária à remoção das cofragens que obstruem as vias, e espera a retoma do trânsito o mais rapidamente possível em nos próximos dias para minimizar os transtornos causados ​​aos viajantes ”.


“A culpa é da Vinci, a empresa falhou na instalação dessa viga ontem à noite. É uma viga como nas pontes com cabos de pré esforço que não aguentaram” , explica fonte interna da empresa ferroviária.



Este é um projeto que deve abranger as principais vias de acesso à estação de Austerlitz. “Aconteceu no meio da noite, felizmente. Dá para imaginar se tivesse acontecido no meio do dia com RER e comboios em baixo? O pior foi evitado” ,


O que aconteceu?

Foi durante uma operação de movimentação de uma viga, mais precisamente da sua cofragem, realizada pela empresa Freyssinet que ocorreu o acidente, quando a viga foi baixada sobre os seus apoios finais. Cerca de dez pessoas estiveram envolvidas na operação. "As causas deste incidente extremamente raro permanecem indeterminadas até agora" .

A identificação das causas encontra-se em curso na empresa, para posterior adequação dos procedimentos, já que a Freyssinet já tinha instalado 2 vigas procedendo da mesma forma em setembro de 2020 e ainda tem "6 outras cofragens a instalar"



Trabalhos de emergência

As instalações ferroviárias foram danificadas, mas “ainda não sabemos qual a extensão dos danos” , informa a SNCF Réseau. As intervenções na catenária e na linha serão, sem dúvida, esperadas, “sem que saibamos ainda todas as tarefas a realizar” . “A prioridade não é avaliar os danos ou fazer reparações mas sem retirar a viga/cofragem”, acrescentou Nicolas Ligne.

Uma operação que promete ser delicada porque a cofragem, de 45m com mais de 300t, "partiu-se em 4 partes" , explica Christian Lacroix, "devemos cortar a préviga, extraí-la do local, fazer uma avaliação da ferrovia e dos sistemas ferroviários e depois repará-los" . Tudo isso num ambiente restrito.

“Vamos trabalhar dia e noite, assim como nos fins de semana”

“Estamos a estudar quais são as soluções que podem ser rápidas e nos permitir estar o mais próximo possível de onde a viga está instalada”, o que será uma das principais dificuldades, acrescenta Christian Lacroix.

Quanto tempo vai demorar para evacuar os destroços? Christian Lacroix não se adianta, “mas trabalharemos dia e noite, assim como nos fins de semana” , garante.

O Prefeito da cidade, estima que serão necessários pelo menos dez dias para restabelecer o trânsito. Por sua vez, a SNCF Réseau prefere não dar uma estimativa da duração das intervenções necessárias, nem da interrupção do tráfego.




GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos

Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com


241 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo