• Engenho e Arte

CONSTRUÇÃO CIVIL NO FEMININO



As mulheres revelam porquê é que os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) existentes para a construção não cumprem a sua função

No Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, vimos lembrar da necessidade de promover melhores condições de trabalho e segurança às Mulheres que trabalham na Construção Civil nomeadamente na problemática de encontrar roupas de proteção que sirvam, já que este é muitas vezes um grande desafio para as mulheres que trabalham na construção.


Apesar de não ser muito comum haver trabalhadoras femininas nos estaleiros de obras em Portugal, elas começaram a aumentar mais em funções de controlo técnico, direcção de obra e até de manobradoras, trazendo para a mesa a discussão sobre os EPIs correctos para elas.


Não havendo estudos conhecido em Portugal, fomos à procura desta problemática na Europa.


A pedreira inglesa Darcie Richards lembra um incidente “Caí num buraco e a água entrou logo para minhas galochas, porque eram muito grandes para os meus pés e como estava muito frio, fiquei encharcada durante o resto do dia.” Embora ela não tenha ficado magoada, Darcie Richards, que usa sapatos tamanho 35, cita o incidente como um exemplo dos problemas que tem para obter o equipamento de proteção individual (EPI) correcto por ser mulher.

De acordo com o Escritório de Estatísticas Nacionais, as mulheres representam 13% da força de trabalho da construção na Europa.

O fornecimento de EPIs é uma exigência legal, mas para os 51% da população que é do sexo feminino, nem sempre é possível obter fornecimentos adequados ao seu tamanho. Fomos examinar a extensão dessa falta básica e mostrar porque é que é do interesse de todos os empregadores fazer algo a esse respeito.


Fazendo isso para as Meninas

Ouvimos histórias de mulheres que têm de enrolar as calças de trabalho, amarrar fitas de cabelo em volta dos pulsos para impedir que luvas grandes escorreguem e usar dois ou três pares de meias para aumentar o tamanho dos pés nº 34 para caber em botas do tamanho nº 38.


Darcie Richards é uma estrela do TikTok (@rattlekings), com mais de 200.000 seguidores nesta rede social. A biografia da sua conta no site diz “fazendo isto pelas meninas”, e ela usa a sua plataforma para postar vídeos de estaleiros de obras, dando ao mundo visões de como é ser uma pedreira. Nos vídeos, ela aborda e rejeita comentários como “as mulheres simplesmente não sabem construir” com vídeos das suas habilidades de colocação de tijolos.



Ela também é a embaixadora da marca da empresa de roupas de trabalho Scruffs e promove vídeos sobre roupas de trabalho femininas. Ela diz que quando entrou para a indústria da construção, há pouco mais de dois anos, que muitas vezes teve que se contentar com roupas masculinas. “Já é bastante difícil ir para um estaleiro de obras e ser feminina. Então, ir para o estaleiro e ter que usar roupas masculinas ainda complica mais”, diz ela.


Como trabalhadora independente, Dacie Richards comprou todos os seus EPIs e recebeu comentários nos seus canais das redes sociais, sobre como ela parece inteligente devido à qualidade do que veste. Mas a pedreira, que tem 1,50 m de altura, ainda se depara às vezes com problemas ao tentar obter o produto certo, simplesmente porque ele não existe para as mulheres. Isso inclui botas de borracha com biqueira de aço que lhe sirvam e, no verão, ela é forçada a arregaçar as calças para fazer shorts de trabalho.


Sobre o dia em que entrou num buraco, ela disse: “Não me magoei. Mas não é bom ficar encharcada o dia todo porque caímos num buraco e as nossas galochas não têm o tamanho correcto



Frustração crescente

De acordo com Estatísticas Europeias, as mulheres representam 13% da força de trabalho da construção. Embora o número geral não tenha mudado muito nos últimos anos, há mais mulheres a ocupar cargos nos estaleiros de obras do que no passado.


A chefe de obras temporárias da Multiplex Construction Europe, Siu Mun Li, está no sector há mais de 20 anos e trabalhou em três outras grandes empreiteiros antes de assumir seu cargo actual em 2016.

Foi apenas nos últimos quatro anos que ela conseguiu obter EPIs que servissem correctamente o seu tamanho.

Sempre usei EPIs de grandes dimensões, tive que alterar o comprimento ou a largura dos meus EPIs ou contactar directamente as fábricas e encomendar os produtos do tamanho certo, pois não estavam na lista de fornecimento padrão da empresa”, diz ela. “Os EPIs de grandes dimensões ficavam constantemente presos em coisas como as armaduras de aço, andaimes e peças de cofragem ao andar pela obra, o que era um perigo e risco para a segurança.


Li diz que anos a aturar EPIs grandes demais e inseguros foram frustrantes: “Receber constantemente EPIs mal ajustados ou ter que comprar o meu próprio EPI adequado ao meu tamanho, acabou por se tornar para mim uma "pedra no sapato" e algo com o qual fiquei cada vez mais frustrada . Quando as pessoas compram roupas, elas não compram ou usam roupas que não servem correctamente, então por que é que as mulheres deveriam receber roupas de segurança que não servem correctamente? Seria aceitável que um homem de pequeno porte recebesse um EPI de tamanho 2XL?


Li diz que fez como sua missão na Multiplex, melhorar a variedade de EPIs femininos nos seus estaleiros no Reino Unido. Uma de suas iniciativas foi desenvolver projetos para o primeiro colete feminino bicolor de alta visibilidade, para o qual o empreiteiro colaborou com a empresa de roupas Leo Workwear e o distribuidor OnSite. O colete, indicando uma função de supervisão, não estava disponível anteriormente numa versão adaptada para mulheres.


Sentindo-se bem-vinda

Louise Houston, chefe de inclusão e diversidade da fornecedora de materiais e empreiteira Tarmac, diz que ter produtos básicos como EPIs para mulheres é fundamental para que as mulheres se sintam bem-vindas no sector.


Embora ainda relativamente nova na sua função, no final de 2018, Houston perguntou aos colegas se haviam coisas que eles precisavam no local de trabalho. Como resultado, em 2019, a Tarmac lançou EPIs adequados para mulheres usarem durante a gravidez. Ela disse: “Não se trata de ser uma competição e apenas a Tarmac ter EPIs femininos, é sobre nós como uma indústria a dizer que se queremos atrair e reter mais mulheres nesta indústria, então as coisas precisam estar no seu lugar para facilitar e fazer as pessoas sentirem que aí pertencem.”



Nicola Jones é uma gestora de projeto baseado em Cardiff para consultores Gleeds com 27 anos de experiência na indústria. No ano passado, a sua filha Charly Short, entrou na empresa como estagiária de pós-graduação. Ela descreve ter visto a sua filha experimentar um casaco impermeável reflector standard, “Quando o vestiu, ia até as canelas e, obviamente, muito além das duas mãos”.


Jones ajudou a sua filha a comprar um casaco feminino num fornecedor local, providenciando a impressão do logotipo Gleeds nas costas. “Não é o melhor caminho a seguir”, disse ela. “Mas assim a empresa percebeu a necessidade de atender a estas especificações e agora ela usa um casaco de tamanho decente sem partir o pescoço como o resto de nós tivemos que fazer.


Pertencente

Ter uma força de trabalho com roupas e equipamentos adequados não é apenas uma exigência legal, também faz sentido para os negócios em mais de um aspecto.


Como Siu Mun Li da Multiplex disse: “Não ter que me preocupar com EPIs mal ajustados ajuda-me a trabalhar melhor e com mais segurança, pois não preciso me preocupar em ficar presa em coisas da obra, o que significa que posso concentrar-me no trabalho e não se vou chegar lá inteira. Isso deixa-me mais confiante, pois não preciso me sentir constrangida e preocupar-me com minha aparência, pois sei que os meus EPIs estão correctos. Se estou feliz, também sou mais produtiva.”



Suzannah Nichol, executiva-chefe do órgão comercial Build UK, diz que os EPIs para mulheres tem sido muitas vezes esquecido porque muitas não percebem o impacto que eles podem ter. “Se você é uma mulher na construção, chega a um ponto em que pensa que os empregadores realmente não se importam com você. Ou, se você é nova na indústria, pode pensar, caramba, é assim que vai ser, e então pode optar por sair.”


Mas no meio a uma crise de competências e uma escassez de mão de obra nunca vista em nenhuma geração, a indústria da construção simplesmente não se pode dar ao luxo de afastar metade da força de trabalho potencial por falta de consideração das suas necessidades. Ela disse: “Se estamos a perder mulheres porque elas não recebem os EPIs certos, então estamos a dar um tiro no pé”.


Até os regulamentos são projetados para homens

A Leo Workwear, fornecedora com sede em Devon que trabalhou com Siu Mun Li da Multiplex nas suas roupas femininas, está a produzir há 40 anos, mas só lançou a sua própria linha feminina há oito anos.



O gerente de marketing e desenvolvimento da empresa, Nick Bale, diz que isso ocorreu após o aumento da procura destes produtos. Ela projeta a utilização de segurança de alta visibilidade de acordo com as normas internacionais, como a ISO 20471, que estabelece áreas mínimas de material fluorescente e refletivo.


Mas Bale diz que os padrões não são projetados para mulheres porque tamanhos menores geralmente não incluem material suficiente para atender aos requisitos da ISO. “Temos que aconselhar as mulheres a usarem uma calça de alta visibilidade com um top de alta visibilidade para se adequar ao geral precisamos do padrão para recuperar o atraso”.



GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com #mulher #diamundialdamulher #construção #construcaocivil #construçãocivil #epi #segurançanotrabalho #engenharia #engenheiros #arquitectura #arquitetura

150 visualizações0 comentário