• Engenho e Arte

HEINEKEN A CERVEJA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL



Reza a história que Alfred Heineken teve uma epifania durante uma turné mundial às Fábricas da Heineken. Quando Heineken estava na ilha de Curaçao no Caribe, em 1960, ele viu muitas garrafas espalhadas pela praia devido ao fato de que a ilha não tinha meios econômicos de devolver as garrafas às fábricas de engarrafamento de onde vieram. Também ficou preocupado com a falta de materiais de construção acessíveis e as condições de vida inadequadas que assolavam a classe baixa de Curaçao. Procurando uma solução para esses problemas, ele encontrou um arquiteto holandês John Habraken para projetar o que ele chamou de "um tijolo que contém cerveja".


A ordem foi "Faça uma garrafa de cerveja que possa servir como um tijolo quando estiver pronta".


Uma garrafa de cerveja em pé é, surpreendentemente, à altura do que se espera dela, suportando 50 kg por centímetro quadrado. Mas as garrafas não são empilhadas verticalmente com facilidade. Colocados de lado, porém, elas partem-se com muita facilidade. A solução de Habraken foi desenvolver garrafas empilháveis ​​do tipo Chianti verticalmente, com gargalos longos e lados rebaixados que se encaixavam e se apoiavam. Foi um compromisso brilhante, mas o departamento de marketing da Heineken rejeitou-o como “afeminado”, uma descrição curiosa, considerando que a garrafa consistia em dois compartimentos bulbosos encimados por um longo eixo. Podemos apenas presumir que Habraken não previu por que os homens de Curaçao não queriam levar isso até seus lábios.

Então Habraken passou para posição horizontal. O seu próximo projeto foi para uma garrafa retangular grossa, muito mais próxima da noção original da Heineken de um tijolo que continha cerveja. O fundo tinha covinhas em um padrão idêntico ao gargalo atarracado da garrafa, de modo que o topo de uma garrafa se encaixasse no fundo da próxima. As laterais tinham uma superfície protuberante, para facilitar a fixação e a aplicação de argamassa. Ainda assim, havia algumas desvantagens: o vidro tinha que ser engrossado para a orientação horizontal desfavorável e seus cantos mais "quadrados" a tornavam mais suscetível de partir durante o transporte.


Nos três anos seguintes, o Heineken WOBO (WOrld BOttle) passou por um processo de design. Alguns dos primeiros designs eram de garrafas interligadas. A ideia surgiu da crença de que a necessidade de argamassa adicionaria complexidade e despesas à simplicidade e acessibilidade da parede da garrafa. Alguns projetos provaram ser materiais de construção eficazes, mas muito pesados ​​e de moldagem lenta para serem produzidos economicamente. Outros designs foram rejeitados pela Heineken com base em preferências estéticas. No final das contas, a garrafa escolhida foi um compromisso entre os designs anteriores.



O frasco foi projetado para ser ligado entre si, colocado horizontalmente e colado com argamassa de cimento com aditivo de silicone. Um barracão de 3m x 3m levaria aproximadamente 1.000 garrafas para ser construído. Em 1963, 100.000 WOBOs foram produzidos em dois tamanhos, 350 e 500 mm. Esta diferença de tamanho foi necessária para a colagem das garrafas na construção de uma parede, da mesma forma que o meio tijolo é necessário na construção com tijolos. Infelizmente a maior parte delas foram destruídas e não restam garrafas.

Elas são muito raras e tornaram-se uma peça de colecionador.



Existem apenas duas estruturas WOBO e ambas estão na propriedade da Heineken em Noordwijk, perto de Amsterdão. O primeiro era um pequeno barracão que tinha um telhado de chapa metálica zincada e suportes de madeira onde o construtor não conseguia descobrir como resolver a junção entre gargalos e bases que corriam na mesma direção. Mais tarde, uma garagem dupla de madeira foi renovada com tapume WOBO.

Alfred Heineken não desenvolveu mais o conceito WOBO e a ideia nunca teve a chance de se materializar. Rinus van den Berg, um designer industrial e arquitetônico holandês projetou vários edifícios enquanto trabalhava com John Habraken nos anos 1970. Um projeto foi publicado na Domus 1976.








O interesse reacendeu-se em 1975, quando Martin Pawley publicou Garbage Housing, que incluía o capítulo 'WOBO: um novo tipo de mensagem numa garrafa'. A Heineken mais uma vez abordou Habraken, que se juntou ao designer Rinus van den Berg e projetou um prédio com tambores de óleo para colunas, tampas de ônibus Volkswagen para telhado e garrafas WOBO para paredes, mas a estrutura nunca foi construída.


Hoje, o barracão na propriedade da Heineken e uma parede feita de WOBO no Museu Heineken em Amsterdã são as únicas estruturas onde o 'tijolo de cerveja' foi usado. Quanto aos WOBOs restantes não está claro quantos existem, ou onde, mas a ideia, mesmo cerca de quatro décadas depois, continua a ser um exemplo duradouro em inovação de uso final.



Em 2008, a empresa de design francesa Petit Romain criou o Heineken Cube , uma garrafa Heineken semelhante, mas em cubos, projetada para empilhar. No entanto, foi desenvolvido para economizar espaço, não para construir casas.



Embora os planos para casas cheias de luz e verdes nunca tenham se concretizado comercialmente, o templo Wat Pa Maha Chedi Kaew , construído a partir de uma mistura de um milhão de garrafas da Heineken e da cerveja local Chang é a prova da arte do design. Para alguns designers, ao que parece, não existe lixo.








A ligação da Construção e a Cerveja já vem de longe


GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos

Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com

#construção #cerveja #heinken #projecto #engenhariacivil

138 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo