• Engenho e Arte

QUANTO TEMPO VAI VIVER? O SEU CORAÇÃO SABE


O QUE SUA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM REPOUSO DIZ DE SI PERMITINDO PERCEBER A SUA LONGEVIDADE


A vida humana poderá ser prolongada diminuindo a velocidade de nossos corações?

Desencadeada pela observação de que os mamíferos com frequência cardíaca mais alta vivem menos do que aqueles com a frequência mais lenta.

Foi esta a pergunta que o Dr. Herbert J. Levine, eminente cardiologista e professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Tufts, perguntou no seu artigo de 1997 “Frequência cardíaca em repouso e expectativa de vida.”

Até hoje, a sua pergunta não foi totalmente respondida. Mas vários estudos recentes descobriram ligações importantes entre os corações mais lentos e as vidas mais longas, colocando a frequência cardíaca em repouso ao nível de um importante indicador de saúde.

Com a crescente popularidade dos relógios inteligentes e outros dispositivos de rastreio, as pessoas estão mais conscientes do que nunca, da sua própria frequência cardíaca em repouso, uma medida definida pelo número de batimentos cardíacos por minuto enquanto descansam, como quando você está sentado ou deitado, bem como duas horas após o exercício. Mas como exactamente interpretar esse número e o que fazer com essas informações pode não ser tão claro.

Para complicar ainda mais as coisas, as frequências cardíacas em repouso podem variar muito de pessoa para pessoa, até 70 batimentos por minuto, de acordo com um novo estudo que analisou o maior conjunto de dados de frequência cardíaca em repouso diário já colectado.




Fig 1. Selecção de sujeitos para o estudo.

Primeiro removemos os usuários de dispositivos de rastreio da frequência cardíaca em repouso (RHR-Resting Heart Rate) com base nas características demográficas: idade abaixo de 18 anos, sexo não especificado ou índice de massa corporal (IMC) fora da faixa de 15 a 50 kg / m 2 . Em seguida, removemos os usuários que não tinham pelo menos 2 dias por semana de uso, com o dispositivo usado 20 horas ou mais por dia, por um período mínimo de 35 semanas. Os dados demográficos e clínicos resultante divididos por sexo são mostrados.


O que sabemos

O facto mais estabelecido sobre a frequência cardíaca em repouso é que ela está inversamente associada ao nível de aptidão física de uma pessoa. Em outras palavras, quanto mais apto fisicamente você estiver, menor será sua frequência cardíaca em repouso (atletas de elite, por exemplo, tendem a ter uma frequência cardíaca notoriamente baixa). Isso acontece porque, à medida que você se exercita, seu músculo cardíaco fica mais forte e requer menos batimentos cardíacos para bombear sangue.

Ao tentar descobrir o motivo pelo qual as pessoas com batimentos cardíacos em repouso mais baixos parecem viver mais, os pesquisadores assumiram que não havia uma associação direta e causal. A principal suposição entre os cientistas era que as pessoas com batimentos cardíacos mais lentos eram mais aptas e a aptidão física é o que as fez viver mais.

"Em geral, quando falamos em frequência cardíaca em repouso, há boas evidências de que quanto menor, melhor"

Esta suposição foi posta à prova num estudo liderado pelo Dr. Magnus T. Jensen, chefe do departamento de cardiologia do Hospital Universitário de Copenhague Amager & Hvidovre. A sua equipe analisou os dados de quase 2.800 homens de meia idade seguidos por 16 anos em Copenhague. "Todo indivíduo teve uma avaliação do VO2 máximo, o que é uma medida do nível de condicionamento", diz Jensen. Esses dados permitiram concluir que, de facto, havia uma associação direta, independente da aptidão física, entre ter uma frequência cardíaca mais baixa e um menor risco de mortalidade.

"Em geral, quando falamos de frequência cardíaca em repouso, há boas evidências de que quanto menor, melhor", diz Barry A. Franklin, PhD, diretor de cardiologia preventiva e reabilitação cardíaca da Beaumont Health.


Fig 2. Distribuição da frequência cardíaca média diária em repouso.

A média diária de RHR para 57.836 mulheres individuais (linha verde) e 34.621 homens (linha azul). A média geral de cada grupo é indicada pelas linhas tracejadas.






Então, o que é considerado um intervalo "normal" para uma frequência cardíaca em repouso?

De acordo com a American Heart Association, uma frequência cardíaca normal em repouso varia de 60 a 100 batimentos por minuto . A maioria dos especialistas concorda com esta afirmação, embora não seja um consenso absoluto, principalmente no extremo superior. "Discordo respeitosamente de chamar 95 ou 100 batimentos por minuto normal", diz Franklin, acrescentando que esse intervalo já pode estar associado a uma menor expectativa de vida.

O estudo abrangente da Scripps Research divulgado recentemente, publicado no PLOS, mostrou que o que é considerado "normal" para uma pessoa pode ser anormal para outra. Verificou-se que a frequência cardíaca média dos indivíduos em repouso era tão baixa quanto 40 e alta como 110 batimentos por minuto.

Os pesquisadores colectaram dados dos dispositivos portáteis usados ​​por mais de 92.000 pessoas durante uma média de 320 dias.

O estudo também destacou que a frequência cardíaca em repouso dum indivíduo é bastante consistente ao longo do tempo, e, portanto, desvios da frequência típica podem ser um sinal importante de que algo está errado. "A variabilidade da frequência cardíaca em repouso pode fornecer informações adicionais, não apenas para a saúde cardiovascular, mas também para o status pulmonar, detecção de doenças infecciosas, saúde reproductiva e possivelmente mais", diz Giorgio Quer, o primeiro autor do estudo.

Uma das limitações da pesquisa é que ela apenas monitorava a frequência cardíaca "normal" do participante, sem examinar a sua saúde real. “Não temos informações sobre o estado de saúde dos indivíduos, por isso não podemos dizer que “normal” também significa saudável”, diz Quer.

Fig 3. Influência da idade (A), índice de massa corporal (IMC) (B) e horas de sono (C) na média diária de HRR, influência da idade (D) e índice de massa corporal (IMC) (E) no padrão desvio (DST) e influência da média da RHR no coeficiente de variação (Coeff. Var.) da RHR (F) . A média, o desvio padrão e o coeficiente de variação da média diária de RHR são mostrados para mulheres individuais (verde) e homens (linha azul). Linhas verticais indicam intervalos de confiança de 95% na estimativa da média para cada subgrupo.


Quando e como controlar a frequência cardíaca em repouso

Há coisas que você pode fazer para reduzir a velocidade para uma taxa mais saudável. Um dos mais importantes é se exercitar regularmente. "Mesmo um programa de marcha rápida pode diminuir a frequência cardíaca em repouso em 10 a 12 batimentos por minuto", diz Franklin.

Se a sua frequência cardíaca em repouso estiver acima de 100 batimentos por minuto, com ou sem sintomas, você deve ser avaliado por um médico.

Embora existam medicamentos, como os betabloqueadores, que podem diminuir a frequência cardíaca em repouso, pessoas saudáveis ​​com alta frequência cardíaca em repouso, mas sem sintomas reais, como falta de ar ou dor no peito, não devem tomá-los, a menos que seja aconselhado pelo seu médico. “Não sabemos se a intervenção na frequência cardíaca com um medicamento, prolongaria a vida dessas pessoas. Mas temos uma quantidade impressionante de informações para provar que as intervenções no estilo de vida como perda de peso, aumento da aptidão física e redução da pressão arterial, estão associadas a uma frequência cardíaca baixa e mais longevidade”, diz Jensen.

Se a sua frequência cardíaca em repouso estiver acima de 100 batimentos por minuto, com ou sem sintomas como falta de ar, dor no peito ou tontura, você deve ser avaliado por um médico, disse o Dr. Matthew Martinez, presidente do Colégio Americano de Cardiologia, secção de cardiologia de desporto e exercícios.

Você também deve prestar atenção a mudanças repentinas. "A sua frequência cardíaca varia durante um dia, após a ingestão de cafeína, num momento de stress e até mesmo quando você caminha pelo corredor", diz Martinez, "Mas mudanças rápidas, de mais de 20 batimentos por minuto num minuto em repouso, devem ser comunicadas ao seu médico"

Embora ter uma frequência cardíaca mais baixa seja geralmente considerada uma coisa boa, existem algumas excepções, observa Martinez. Se você não é atleta nem faz exercício regularmente, e o seu coração está a bater abaixo de 60 batimentos por minuto (uma condição chamada bradicardia), isso pode ser um sinal de condições médicas específicas, como doença da tiróide, ou um problema causado por anomalias na condução dos impulsos elétricos do seu corpo, especialmente se houver sintomas como tontura e enjoos.



Fig. 4. Variação semanal na média geral de RHR para mulheres (linha verde) e homens (linha azul) ao longo de 1 ano.

Para cada indivíduo e para cada uma das 52 semanas em um ano, a RHR média foi calculada considerando todos os dados disponíveis e interpolando ao longo de semanas sem dados.











Os prós e contras dos rastreadores de frequência cardíaca

Os especialistas acham positivo que as pessoas estejam cada vez mais familiarizadas com os seus batimentos cardíacos. "Isso significa que as pessoas estão a ficar mais conscientes com sua saúde", diz Seth S. Martin, director do programa avançado de distúrbios lipídicos do Centro Ciccarone, Johns Hopkins Medicine. "Ao estarem melhor informados e assumirem um papel mais activo na sua saúde, eles podem evitar problemas posteriores".

O rastreio da frequência cardíaca também pode ser útil para detectar certos distúrbios do ritmo cardíaco, como a fibrilhação auricular, que pode ser assintomática, de acordo com o Dr. Nino Isakadze, pesquisador de cardiologia clínica do Hospital Johns Hopkins. Um estudo recente financiado pela Apple, o Apple Heart Study, concluiu que um aplicativo Apple Watch era capaz de identificar fibrilação atrial com uma precisão de 84%.

A fibrilhação auricular é a arritmia crónica mais frequente com uma prevalência superior a 6% a partir da sexta década de vida. Na FA há uma perda da função mecânica auricular, o que leva à estagnação do sangue e à formação de coágulos nas aurículas, que podem desprender-se e provocar uma embolia nas artérias cerebrais. A FA é responsável por 15% dos AVCs.

Os factores de risco mais frequentes são a idade avançada, a hipertensão arterial, a diabetes e a insuficiência cardíaca.

As principais manifestações da doença são as palpitações, a resposta excessiva da frequência ventricular, a falta de ar e intolerância ao esforço, o aumento da mortalidade, etc.

A FA aumenta em 5 vezes o risco de AVC (o principal problema), em 3 vezes o risco de insuficiência cardíaca, em 2 vezes o risco de demência e duplica o risco de morte.

Mas, é importante não se concentrar demais no rastreio. "Existe o risco de sobrecarga de informações", diz Martinez. “Costumo aconselhar os meus pacientes sobre a ansiedade que vem com estas informações e como lidar com estes dados. É um indicador importante, mas às vezes a fixação num número real também é prejudicial”. Ele aconselha os seus pacientes a verificar sua frequência cardíaca em repouso não mais que três ou quatro vezes por semana, sempre escolhendo diferentes horários do dia e nunca antes de duas horas após um exercício fisico e uma hora após a ingestão de cafeína. Muitos dispositivos de rastreio, como o Apple Watch, mostram a frequência cardíaca média diária em repouso, que fornece uma imagem mais confiável da velocidade do seu batimento cardíaco do que verificá-lo num momento do dia em particular.

"Certamente existe o risco de que o rastreio da frequência cardíaca poder criar ansiedade, que às vezes pode levar a uma frequência cardíaca elevada e a visitas e exames médicos desnecessários", disse Isakadze.


Fig 5.


Distribuição da diferença mediana (A) e máxima (Máx) (B) na frequência cardíaca em repouso (FCR) em 1 semana e exemplos de variações longitudinais da FCR em três mulheres (C, D, E) durante 1 ano. Para cada indivíduo, a mediana (A) e a diferença máxima (B) na RHR ao longo de uma semana foram calculadas considerando todas as semanas com pelo menos quatro medidas de RHR. Nos exemplos longitudinais, (C) mostra uma RHR estável para uma mulher com mais de 60 anos; (D) um único episódio de aumento da RHR em uma mulher entre 50 e 60 anos; e (E) variabilidade mensal recorrente em uma mulher em idade fértil.


Interpretar os dados também pode ser um desafio. “Existem muitas razões pelas quais a sua frequência cardíaca pode ser anormal, alta ou baixa. Os dispositivos podem identificar anormalidades, mas a precisão e a utilidade ainda precisam ser determinadas. Identificar todas estas informações sem entender o que fazer com os dados pode ser potencialmente prejudicial”, afirmou Martinez.

Jensen compartilhou uma anedota de como as pessoas poderiam usar estas informações de uma forma mais produtiva nas suas vidas diárias. Quando ele perguntou ao motorista do Uber em Londres se ele estava a gostar do recurso de frequência cardíaca do Apple Watch, o homem disse que havia notado um aumento nos batimentos por minuto depois de iniciar seu próprio negócio e passar por um alto nível de stress. Isso fê-lo pensar no seu bem-estar e levá-lo a tirar alguns dias de folga.

Se é verdade que "Deus deu-nos a cada um de nós umas quantas batidas de coração", como o falecido Dr. Levine gostava de dizer, então, “quanto mais lento as gastarmos, mais tempo viveremos”.


GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos

Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com

22 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Ícone do Twitter Branco

© 2019 Orgulhosamente criado com Engenho & Arte