top of page
  • Foto do escritorJoaquim Nogueira de Almeida

ARQ. TOMÁS TAVEIRA TEM SEGUIDORES NA HOLANDA?



É a segunda vez que escrevo sobre o Arq. Tomás Taveira, da primeira vez foi na entrevista que lhe fiz e que pode ver aqui e desta vez faço-o a propósito de uma outra arquitectura que me fez logo recordar as suas coloridas fachadas.


Tomás Taveira, é um arquiteto icônico de Portugal, é mestre na arte de transformar edifícios em verdadeiras explosões de cor. As suas fachadas vibrantes e ousadas são um testemunho do seu talento criativo na diferenciação das fachadas da forma mais econômica, seguramente uma das razões da sua inicial utilização.

Taveira é conhecido por desafiar as convenções, utilizando cores de forma magistral. Nas suas obras, as fachadas não são apenas superfícies, mas autênticas paletas de expressão que desde amarelos radiantes, vermelhos apaixonantes aos azuis serenos, que ao fazer dançar nas paredes dos seus edifícios, cria um contraste emocionante com o cinzento urbano, e criou um estilo pós modernista ousado e único.


Este arquiteto não tem medo de arriscar, e é isso que o torna único. As cores escolhidas por Taveira não só adicionam vivacidade às cidades, mas também provocam reações muitas vezes controversas. Uma coisa é certa, as suas fachadas não passam despercebidas.

Tomás Taveira é de alguma forma um pioneiro no uso de cores na arquitetura, desafiando-nos a ver o mundo de uma forma mais vibrante. As suas criações são um tributo à ousadia e à imaginação, e deixam uma marca indelével no panorama arquitetónico de Portugal.

Sei que muitos dos seus pares, criticam a sua arquitectura pela sua exuberância, pelo impacto que tem visualmente na cidade ou no ambiente onde se implantam, não o reconhecendo como fazendo parte duma elite arquitectonica onde a corrente mais minimalista que prevalece em Portugal, faz escola com nomes como o do Arq. Alvaro Siza Vieira.

Mas uma coisa temos de reconhecer e é que o estilo de Tomás Taveira é inconfundível e o de Álvaro Siza Vieira o não é.


E tudo isto veio à minha mente depois de ter tido conhecimento que o gabinete de arquitetura holandês MVRDV , adicionou uma fachada colorida em grade, para mim ao estilo de Tomás Taveira, a um arranha-céu em Shenzhen , para criar um hotel e centro dedicado ao bem estar de mulheres e crianças.


Este projecto foi a recuperação de um edifício existente originalmente concluído em 1994, para um Centro para Mulheres e Crianças de Shenzhen que inclui biblioteca , auditório , teatro infantil , salas de terapia e escritórios para funcionários .





O gabinete MVRDV manteve a maior parte da estrutura original, que é composta por uma torre de 100 metros de altura com uma fachada de 5.500 metros quadrados e seis andares na esquina de um cruzamento.

O gabinete adicionou uma moldura colorida de alumínio em grade ao exterior, aumentando a profundidade da fachada num metro para ajudar a sombrear os espaços internos e reduzir o ganho de calor.





Ainda sobre o Arq. Tomá Taveira, não tenho duvida de que a sua influência estende-se muito além das fronteiras de Portugal. O seu trabalho é reconhecido internacionalmente, e muitos arquitetos e artistas olham para as suas fachadas coloridas como uma fonte de inspiração.

A utilização de cores nas fachadas dos edifícios de Taveira não é apenas uma questão estética, mas também uma declaração de confiança e energia. Ele desafia a monotonia e a uniformidade da paisagem urbana, dando vida às cidades com as suas composições cromáticas ousadas.


É importante notar que a escolha das cores não é aleatória. Taveira considera cuidadosamente o contexto e a mensagem que deseja transmitir. Cada cor é escolhida com um propósito, seja para destacar a função do edifício, criar uma atmosfera específica ou contar uma história.

No mundo da arquitetura, Tomás Taveira é uma figura que nos lembra da importância de pensar para além das estruturas tradicionais e das normas estabelecidas. As suas fachadas coloridas são uma celebração simples da individualidade e da criatividade, mostrando-nos que a arquitetura pode ser uma forma de arte que toca as nossas vidas diariamente.


Parece ter sido também essa a opção do gabinete holandês MVRDV com a concepção da fachada verde brilhante, rosa, amarela e laranja se transforma em branco nos níveis superiores do edifício, onde está localizado um hotel com 201 quartos.


"Reter e reformar um edifício é mais sustentável do que demolir e construir de novo, especialmente quando um edifício é tão jovem e contém tanto betão armado como esta estrutura",


disse o sócio fundador do MVRDV, Jacob van Rijs,


"Também queríamos abrir caminho para a cidade de Shenzhen no reaproveitamento de edifícios, especialmente arranha-céus, pois acreditamos que este é apenas o começo de uma grande onda de reutilização adaptativa."



As cores da fachada foram utilizadas em todo o edifício para orientar os visitantes e destacar as passagens para um pátio.

O gabinete MVRDV redesenhou o lobby principal para torná-lo num espaço colorido e convidativo que atrai as pessoas para os espaços comerciais do edifício, e um lobby separado para as crianças foi adicionado a uma entrada lateral, levando aos espaços de educação e lazer.


Todo o tema do edifício está ligado ao bem-estar das crianças e a soluções de design frescas, coloridas e divertidas”, disse Van Rijs.


O MVRDV encimou o edifício com uma "coroa de torre" que cobre um terraço , onde os visitantes podem desfrutar de vistas de 360 ​​graus da cidade circundante.

Originalmente utilizado para estacionamento de automóveis, o estúdio transformou o terraço num espaço público com praça de alimentação.




A entrada da estação do Metro foi deslocada da calçada externa para dentro do prédio, criando um espaço público maior em frente ao centro com círculos coloridos decorando a pavimentação.

Aproximadamente 24 mil metros cúbicos de betão armado foram economizados e reaproveitados da estrutura original e pequenos acréscimos foram feitos para simplificar as os pisos inferiores.




De acordo com o gabinete MVRDV, a estrutura original foi construída durante o primeiro período de rápido crescimento de Shenzhen e devido à sua construção apressada, foi considerada inadequada para o propósito mais tarde.

Foi selecionado como um dos 24 projetos a serem revitalizados pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma , com o objetivo de contribuir para a meta da China de atingir o pico de emissões de CO2 antes de 2030 e alcançar a neutralidade de carbono até 2060.



"A abordagem apressada no projeto original ficou imediatamente clara. Devido às persistentes preocupações com a segurança contra incêndio, as unidades comerciais na base não foram abertas até 2002, e a própria torre permaneceu vazia muito tempo",

disse o MVRDV.

"Com as novas necessidades dos utilizadores do edifício, os requisitos ambientais ficaram aquém do desejado e em 2019 ficou claro que o edifício já não era adequado à sua finalidade."




O gabinete holandês MVRDV foi fundado em Rotterdam em 1993 por Van Rijs, Winy Maas e Nathalie de Vries.


Créditos do projeto:

Arquiteto: MVRDV Co-arquiteto, arquiteto paisagista e MEP: SZAD Consultor de fachada: King Glass Engineering Engenheiro estrutural: Yuanlizhu Engineering Consultants Consultor de iluminação: Brandston Partnership Inc. Arquiteto de interiores: Jiang and Associates



GOSTOU? então coloque um "gosto" e partilhe para os seus amigos

Tem uma história para partilhar? email EngenhoeArte@yahoo.com


Joaquim Nogueira de Almeida





ARTIGOS DO MESMO AUTOR:

MOLDANDO O MUNDO COM IMPRESSÃO 3D - O FUTURO NA CONSTRUÇÃO

127 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page